"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

sábado, 15 de abril de 2017

FN kosher

12 comentários:

Maria disse...

Será possível o que se diz dos antecedentes familiares e sobretudo do forte apoio que vem tendo dos mundialistas nesta sua campanha e tudo feito antevendo a sua eleição, que, não duvidemos, se é o que eles querem, irá ganhará as eleições. Eleições que em todas as democracias são manipuladas a seu bel-prazer.

Eles, os mundialistas, vão reunir-se, como é a norma todos os anos, lá para fins de Maio/princípios de Junho para tomar decisões políticas drásticas, a maioria criminosas, a serem adoptadas pelos governantes-fantoche de todas as democracias do Planeta. E o mesmo será feito secretamente nos restantes países não democráticos do mundo. Quanto às igualmente criminosas decisões políticas de nível económico para os mesmos países, já tinham sido arquitectadas e postas em prática pelos G20 aquando da sua reunião há cerca mês e meio em Itália (já não me recordo, mas penso ter sido neste país), onde também se realizam anualmente para o mesmo fim.

Marine Le Pen vai ganhar as eleições em França quase de certeza. Como de resto a direita vai ganhar com margem significativa nas próximas eleições que se vão suceder umas a seguir às outras nas restantes democracias europeias. Isto porque a viragem à direita nestes países lhes é conveniente para prosseguirem com os planos demoníacos que têm em mente para a Europa. Quanto a Marine Le Pen, é uma pena ela estar a ser apoiada por seitas criminosas, indo defraudar não só os eleitores franceses mas também os restantes europeus e até muitos admiradores seus noutros países à volta do mundo que admiram a sua coragem como dirigente do partido de que é presidente, mas também pelas medidas patrióticas(?) que diz com convicção ir tomar caso seja eleita.

Não me recordo quando nem onde, mas li algures há alguns anos ter o seu pai, Jean-Marie, criticado acerbamente certas medidas políticas por ela tomadas e o modo como estava a conduzir o partido. Medidas que íam contra a filosofia e linha programática adoptadas pelo partido por si fundado, com as quais estava totalmente em desacordo. Achei um exagero da parte dele, parecendo-me ter o partido beneficiado com a susbtituição na presidência do mesmo, por ela ser mais calma e mais sensata no modo e na forma de atuar.

Pelo andar da carruagem parece que ainda iremos dar razão às advertências e fortes críticas feitas pelo pai à filha...

Parabéns pelos excelentes (alguns mesmo inacreditáveis) e oportunos temas que vem aqui trazendo.
Maria

Thor disse...

"Não me recordo quando nem onde, mas li algures há alguns anos ter o seu pai, Jean-Marie, criticado acerbamente certas medidas políticas por ela tomadas e o modo como estava a conduzir o partido. Medidas que íam contra a filosofia e linha programática adoptadas pelo partido por si fundado, com as quais estava totalmente em desacordo. Achei um exagero da parte dele, parecendo-me ter o partido beneficiado com a susbtituição na presidência do mesmo, por ela ser mais calma e mais sensata no modo e na forma de atuar.

Pelo andar da carruagem parece que ainda iremos dar razão às advertências e fortes críticas feitas pelo pai à filha..."



eu apercebi-me em meados de 2011 (entre Abril e Junho), poucos meses depois de ela entrar, que aquilo tinha mudado para pior...quando ela começou a expulsar militantes à toa sem motivo, a defender judeus, homossexuais e a defender uma linha económico-social quase marxista. isso não é nada, disseram alguns. ela tinha que fazer isso, tu é que és um burro nazi e não percebes. (o pai nunca precisou de fazer isso, mas ela precisou...)

depois disso, ainda fez cartazes a defender e a apelar à integração e assimilação religiosa-racial. uma coisa é o pai aparecer num cartaz com várias pessoas, uma delas não-nativa, algo que considero irrelevante e insignificante...outra coisa é apelar mesmo à integração e, ainda por cima, nesse cartaz a única pessoa nele representada, não era nativa. nacionalismo cívico, ascenção social, laicidade e assimilação...o problema é apenas o islão.

uns precisaram de anos para perceber a farsa da Marine, os que já acordaram, claro...eu precisei de 3/4/5 meses.

o discurso constante a favor dos judeus e do holocausto, a negação da conspiração judaica, o namorado judeu...ela chegou a dizer que a FN era militantemente sionista, vi isso num documentário na sic em finais de 2012, mas nunca mais achei outra vez...as razias internas de militantes NS ou Fascistas, o apoio ao Syriza, etc
depois a expulsão do próprio pai, a quem ela deve ter chegado onde chegou, e a quem deve a maioria do próprio crescimento da FN que aconteceu com ele (já em 2002 estiveram perto de ganhar uma eleição) foi o auge da baixeza. comparou também o islão com o nazismo, foi a tribunal justamente por denegrir o nazismo, vejam bem...




"Isto porque a viragem à direita nestes países lhes é conveniente para prosseguirem com os planos demoníacos que têm em mente para a Europa."


concordo. apenas não tenho a certeza de que Marine vá ganhar. dizia-se o mesmo de Wilders e afinal quem ganhou foi o outro, também de direita (moderada). já o caso do Trump foi diferente, percebi logo que havia ali uma grande probabilidade de ele ganhar. as eleições são manipuladas nas democracias, como disseste e bem.




"Parabéns pelos excelentes (alguns mesmo inacreditáveis) e oportunos temas que vem aqui trazendo. Maria"

obrigado e, já agora, eu é que agradeço pela visita e comentários.

Maria disse...

O Wilders não ganhou porque ainda não era o momento certo. Não tenha dúvidas. Eles sabem-na toda. Foi tudo cozinhado há muito nas reuniões secretas que os mundialistas levam a efeito com a regularidade e precisão de um relógio suíço. A Marine só não será presidente se não for altura certa. Nas democracias os resultados das eleições são todos manipulados a favor da maçonaria de cada país e estas cumprindo as ordens do governo mundial.

É o que sucedeu em Portugal a partir do dia em que a A.D. as ganhou por maioria absoluta. Tal facto assustou a maçonaria de tal modo que esta pôs logo em acção todos os meios sujos ao seu alcance para fazer ver aos eleitores que os 'democratas' socialistas é que eram os 'bons' e que a direita social-democrata é que era a má por ser "fascista". Passando a maçonaria a dar aos socialistas (comunistas encapotados) a maioria em todas as futuras eleições (manipuladas, claro) e relegando para segundo e terceiro planos a "direita" e a "extrema direita" fascistas, epítetos intencionalmente inventados para catalogar, diminuíndo-os perante os eleitores, o PSD e CDS, partidos nos quais aliás eles sempre mandaram pois foram eles quem os escolheu a dedo para integrar o leque de partidos autorizados pelos 'democratas', como de resto eles mandam em todo o sistema.

Quanto à Marine, vai ver que ela só não vai ganhar as eleições se a maçonaria francesa por interposto governo mundial, não quiser. Ou caso aconteça algum incidente muito grave ou um imprevisto não calculado. Mas se de facto ela alcançar a presidência não será para admirar já que todo a mise-en-scène a que temos vindo a assistir foi preparado à minúcia e foi-o para isso mesmo se verificar. É curioso (ou talvez não), mas há muitas parecenças com o que aconteceu na campanha e eleição do Trump, só difere no contexto e nas personagens em questão. Até há familiares judeus em ambos os casos e apoio e houve elogios à barda (subreptícios) primeiro a ele, depois a ela, pela maçonaria francesa e norte-americana, respectivamente, assim como na apologia dos dois políticos ao Estado de Israel.
Nada que não se tenha vindo a verificar noutras épocas e países tendo as mesmas seitas como protagonistas.

Obrigada pelas suas palavras.

Thor disse...

só não concordo com uma certa condescendência em relação a psd e cds, como se estes não fossem igualmente culpados do estado de Portugal (tanto como ps/pcp/be) e fossem apenas ingénuos ou inocentes que não sabem o que se anda a passar ou andassem a "reboque" dos esquerdalhos.

a verdade é muito diferente disso. o sistema é mesmo todo igual de fio a pavio, não há uns mais culpados que outros e não se pode esperar absolutamente nada de psd/cds a não ser traição. a A.D. nunca assustou o que quer que fosse. o Sá Carneiro é que fez e disse coisas que "não devia", mas isso foi um individuo (basta ver o canalha que lhe sucedeu como lider da tal A.D.)...

e "direita social-democrata" é uma contradição em termos. Psd não é direita, no máximo centro. mas mesmo que fosse direita era irrelevante.

eles não andam a reboque do ps, pcp ou be como dizem os "neocons" que apenas vêm "marxismo cultural" à frente do nariz. eles fazem o seu próprio caminho e a sua própria agenda plenamente conscientes de estarem a destruir Portugal, pois esse é o seu objectivo deliberado e não por causa de "perderem a guerra cultural contra o marxismo" e outras patetices. eles nunca perderam "guerra cultural" nenhuma, porque o que eles querem é mesmo destruir Portugal, tanto quanto ps, pcp ou be. podem é disfarçar melhor ou destruir Portugal mais devagar.

atenção a essa retórica de ser mais benevolente com psd/cds, ou de atribuir-lhes "bom fundo" mas "impreparação".

Maria disse...

Condescendência coisa nenhuma. Tem toda a razão, PSD e CDS pertencem ao grupo de partidos falsamente direitistas autorizados pela seita maçónica a fazer parte do sistema cujos chefes Cunhal e Soares escolheram d'antemão como os únicos permitidos. Regime/sistema introduzido em Portugal pelos mesmos sob a falsa aparência de democracia.

Desde 2002 que deixei d'acreditar neste regime e menos ainda no sistema. Desde a primeira hora de 'democracia' que temos vindo a ser governados por um bando de mafiosos do pior, que em conluio e praticando uma corrupção monstruosa, se protegem uns aos outros. Eles, o bando que manda no país, após se aproveitarem maquiavèlicamente do golpe (sujo) de Estado levado a cabo por militares ingénuos e ignorantes da política e dos seus meandros e menos ainda dos intuitos diabólicos, com falinhas mansas e promessas grandiosas para nunca serem cumpridas, convenceram os portugueses de que Portugal ía viver em plena democracia e com eleições livres e justas(?), podendo votar em partidos da sua preferência ideológica(?), iria acabar a censura na imprensa(?), etc. Hoje sabemos que se tratou de brutas mentiras, que as eleições têm vindo a ser manipuladas desde a primeira hora em que aquelas se começaram a realizar; que os partidos políticos existentes (os da direita patriótica foram sendo eliminados um a um) são ùnicamente aqueles que a seita permitiu; a censura na comunicação social não é como a que havia no anterior regime, pois não, é muito pior porque só aparece na imprensa escrita e falada aquilo que o sistema permite. Aquela imprensa só apoia, aprova e enaltece as medidas políticas da lavra da esquerda e de seus apaniguados. Todas as medidas políticas tomadas com a pretensão de terem saído de grandes cérebros democráticos de inúmeros debates e profundas análises, servem apenas para iludir os eleitores e a farsa, com os actores políticos em cena a manobrar nas ante-câmaras, poder continuar a ser representada às mil maravilhas, permanecendo incólumes e eternizando-se no poder. Isto passa-se evidentemente porque os partidos que fazem parte do sistema estão todos conluiados, nem podia ser doutro modo, quem manda neles é o governo mundial por interpostos governos em cada democacia.

Os crimes económicos e políticos e a corrupção monstruosa praticados ao longo de décadas por aqueles que se acham donos da democracia, foram sendo sistemàticamente encobertos pelos mesmos. As traições sucessivas à Pátria e ao povo cometidas desde o primeiro minuto pelos agentes 'democráticos' deste pseudo regime, a somar às mentiras permanentes, a falcatruas gigantescas e ao roubo descarado de biliões, à luz do dia, de bancos públicos e privados, praticado pela classe política e seus compinchas, caso vivêssemos num regime efectivamente justo e patriótico, os seus perpetradores mereceríam prisão perpétua, em alternativa à pena de morte que cá é inexistente. Punição esta que ainda se aplica aos traidores à Pátria e a criminosos violentos em bastantes países do mundo, alguns dos quais até democráticos, a mesmas que também cá existiu ainda não vão cem anos.

Thor disse...

ok, entendi.
não sei precisar o ano em que deixei de acreditar no sistema, pode ter sido em 1999 ou 2000. o que sei é que nunca fui votar em nenhum partido do sistema. nunca. nem cds, nem psd, nem ps, pcp ou be. e mesmo nos partidos mais pequenos, também não. fui votar 2 vezes no pnr em legislativas (+ 1 em europeias) por julgar que o partido não fosse do sistema, e numa altura em que o partido parecia muito menos kosher e abrileiro(democrata) do que hoje. claro que já tinham uma ala kosher, mas não pareciam kosher como agora...se sempre foram tão kosher como hoje, é algo que desconheço.
isso apenas se começou a notar mais a partir de 2014, depois de terem ficado com contas congeladas...devem ter recebido ajuda financeira a troco de se tornarem obedientes e apenas ladrarem contra o islão.
seja como for, quem for honesto pode sempre recuperar comentários meus antigos em que até o pnr eu critico, apesar de dizer que não havia outra alternativa. nem no pnr acreditava muito.



"falsamente direitistas autorizados pela seita maçónica a fazer parte do sistema cujos chefes Cunhal e Soares escolheram d'antemão como os únicos permitidos."


falta aí o Balsemão, Maria. o Balsemão manda e mandava mais que o Cunhal.




"Aquela imprensa só apoia, aprova e enaltece as medidas políticas da lavra da esquerda e de seus apaniguados."

não é bem assim, os liberais também têm cobertura e imprensa. olha o Expresso, Observador, etc, etc

Maria disse...

Sim, sim, Balsemão, esse faz parte do trio maldito. Outro maçon velhaco e traidor - traidor à Pátria e traidor aos amigos, como o fez cruel e friamente a Sá Carneiro, seu amigo verdadeiro no qual ele, S.C., confiava cegamente. Balsemão teve perfeito conhecimento da trama, tal como os outros dois pulhas supra-citados, que esteve por detrás do atentado (ordenado pelos três) que levou à pior morte que é possível conceber-se, pelo fogo, de Sá Carneiro. Estas três cobras venenosas foram - e o que ainda está vivo, é - a encarnação do verdadeiro espírito do mal. Há/houve outros pulhas de igual índole malvada, mas estes três foram sem dúvida os mais satânicos dentre todos por serem os mandantes do que de mais trágico e criminoso aconteceu ao nosso País. Os restantes membros da seita, uns mais conhecidos outros menos, foram/são igualmente seres desprezíveis, autênticas víboras, porque cometeram ou ajudaram a cometer os mesmos crimes violentos e de sangue e consequentemente a praticarem o mesmo mal.

Thor disse...

traidor, maçon e...judeu.
e, Maria, eu não ligo muito à dicotomia direita vs esquerda, mesmo que em Portugal haja um défice de direita (que há), mas não é verdade que isso seja assim em todos ou na maioria dos paises. por exemplo, em Inglaterra há partidos de direita, mais à direita que o cds, e nem por isso valem alguma coisa. direita democrática e mesmo alguma não-democrática é porcaria que cheira mal na mesma. é preciso outras alternativas.

Maria disse...

São precisas outras alternativas? Claro que são e o mais ràpidamente possível. É que isto está a ir de mal a pior.

Quanto à direita, CDS incluído, não existe direita coisíssima nenhuma em Portugal. Os partidos que nos foram impostos foram escolhidos a dedo pela maçonaria para dar um ar de verdadeira democracia ao regime não eleito no nosso país. Regime que nos foi (sub-reptìciamente) imposto, subjuga e cerceia e tem vindo a impedir desde a primeira hora as facções ideológicas que os portugueses sempre desejaram e continuam a desejar para o país, polìticamente falando. A esquerda maçónica portuguesa, o mesmo que acontece nas restantes 'democracias' com as respectivas maçonarias, é comandada à distância pelo governo mundial (vide David Duke) e sendo ela a dona dos regimes democráticos, não o permite. O mesmo acontece em todas as democracias do Globo. Esta é uma realidade indesmentível e os povos, que o reconhecem - temos a prova nos vários países europeus com destaque para os países ex-soviéticos cujos povos odeiam a esquerda comunista - estão atados de pés e mãos porque a democracia e o sistema por ela arquitectado foi-o de tal modo que essa direita, a nacionalista e patriótica, que os povos desejam ardentemente a que governe os seus países, nunca o irão conseguir enquanto o governo mundial (masters of the universe) existir.

Mas (segundo David Duke) já faltou mais para que esse governo seja reduzido a pó. Será difícil mas possível. Especialmente nos Estados Unidos, seu quartel general, onde a maioria dos americanos já abriu os olhos para o perigo que um governo mundial não eleito representa não só para o seu povo e país mas também para o resto do mundo.

Thor disse...

o nacionalismo não tem que ser de direita.
não tem e, para mim, nem deve ser...
vai dizer que o Pinochet também não era direita? e não era ladrão, corrupto, assassino, etc?
ele, ao contrário do que alguns pensam, não tinha nada a ver com o Hitler, o Salazar ou o Mussolini. pelo contrário, foi uma marionete instalada pelo Kissinger e companhia, isto é, pelos democratas.
a maior prova que o nacionalismo não tem que ser de direita, é o Nacional-Socialismo. mas muitos não gostam...mal ouvem o termo Socialismo, fogem, porque foram educados toda a vida a pensar que Socialismo é sinónimo de "esquerda" e que o marxismo é "socialista" (lol desde quando?). até já tive aqui um labrego a insultar-me por causa disso há uns bons meses, o mesmo que nesta caixa de comentários me insultou, como você viu certamente. (quando não é por isto, é por aquilo)

pensam também em "estado forte", que horror, como se forte fosse sinónimo de mau, e fraco ou leve fosse sempre sinónimo de bom. do que eles gostam mesmo é de "mercados livres" (lol), máfia de Wall Street, bolsa, especulação fraudulenta e mafiosa, etc...quando um governo/estado não ocupado pelo zog (isto é, verdadeiramente livre) acaba com isso, então isso é "crime" porque acaba com a "liberdade" dos mafiosos.
e nesta questão, acima de tudo, o que importa é a questão zog vs resto. e tudo o restante, a questão do "estado forte" vs "estado minimo" é precisamente para atirar areia aos olhos. o que importa é estado bom vs estado mau, estado eficiente vs estado ineficaz, etc
a questão do "privado"vs "público" também é outra demagogia, como se o privado fosse sempre bom ou mau e o público também fosse sempre bom ou mau, independentemente de...
todas essas questiúnculas destinam-se a tapar a floresta com a árvore e a floresta chama-se zog. tão simples como isto.

face a isso, a dicotomia direita vs esquerda é irrelevante e obsoleta, pois a porcaria está nos dois lados, e não apenas num. direita e esquerda são apenas dois tentáculos do mesmo polvo (zog).
quanto a verdadeira democracia, não sei o que isso seja, mas seja lá o que for isso, eu não quero, pois a democracia funda-se em princípios errados logo na base.

Maria disse...

"o nacionalismo não tem que ser de direita.
não tem e, para mim, nem deve ser.."

Claro que não e se calhar nem deve como bem frisou, sobretudo 'desta' direita que integra os partidos das democracias europeias e extra-europeias. E esta direita não é de facto de confiar porque sabe-se por que motivo que lhe é permitido fazer parte dos regimes democráticos. Mas olhe que o Jorg Haider e o Pim Fortuyn (Áustria e Holanda) eram da direita nacionalista e patriótica e tudo leva a crer que sincera e genuìnamente e sabiam o que queriam e o que não queriam para os seus povos e tanto assim foi que os dois foram apoiados maciçamente em cada uma das respectivas eleições. E sabe o que lhes aconteceu quase a seguir aos seus estrondosos triunfos eleitorais, dado o medo atroz que a maçonaria-sionista tinha de que eles assumissem o poder nos seus países, não é verdade?

Quanto ao resto, plenamente d'acordo consigo.
Maria

Thor disse...

sim, o Haider era genuino. até foi morto num "acidente" de carro por causa disso, e porque criticava bastante o sistema bancário e a máfia financeira, algo que falta a estas direitas de pseudo-oposições que só falam em islão, como Pvv(Wilders) Edl (Tommy Robinson), Democratas Suecos, Pegida, actual FN, actual FPÖ, Vlaams Belang, Lega Nord, etc e ainda apoiam o inimigo sionista, para não falar mesmo de aberrações como o homossexualismo nalguns casos, algo que me faz considerar que isto se trata de uma doença mental pura e dura e já não tenho paciência para ouvir falar em direitas democráticas milagrosas que, afinal são apenas mais do mesmo.