"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

terça-feira, 7 de maio de 2013

derrubar mais uns mitos sobre Mordechai

1- derrubar o mito construído pelo politicamente correcto de que Mordechai (Marx) era anti-semita e detestava judeus.
2- derrubar o mito segundo o qual Marx era muito diferente dos actuais esquerdistas, porque alegadamente não pugnava pela destruição das outras raças

Carta do rabino Baruch Levy a Mordechai  (Karl Marx) em 1848:

"O povo judeu na sua totalidade será ele mesmo o seu próprio Messias. O seu reino sobre o universo realizar-se-á pela unificação das outras raçaseliminação das monarquias e das fronteiras que são a protecção do particularismo, e pelo estabelecimento de uma república universal que reconhecerá em toda a parte os direitos de cidadania dos judeus. Nesta nova organização da humanidade, os filhos de Israel disseminados actualmente sobre toda a superfície da terra, todos da mesma raça e de igual formação tradicional, conseguirão, sem grande oposição, constituir o elemento dirigente em toda a parte e de tudo, se conseguirem impôr a direcção judaica às massas operárias. Assim, pela vitória do proletariado, os governos de todas as nações passarão para as mãos dos israelitas por intermédio da realização da República universal. A propriedade individual poderá então ser suprimida pelos governantes de raça judaica que então poderão administrar em todo o lado as riquezas dos povos. E assim realizar-se-á a promessa do Talmud de que quando chegarem os tempos messiânicos, os judeus terão sob controlo os bens de todos os povos da terra".

FONTE: "Revue de Paris" 1 de Junho de 1928, pág. 574

7 comentários:

Pedro Lopes disse...

Excelente achado.

"Assim, pela vitória do proletariado, os governos de todas as nações passarão para as mãos dos israelitas por intermédio da realização da República universal"


Isto parecem representar a teoria da implantação do comunismo universal que falhou. Os primeiros comunistas tipo Lenine e Trotsky estavam mais empenhados numa "Revolução Universal" do que propriamente na Rússia.

O que se pode especular aqui é que este plano não correu como o esperado, devido á resistência de alguns poderes nacionais e devido ao aparecimentos dos nacionalismos dos anos 30.
E portanto eles terão mudado de planos, infiltrando-se cada vez na banca e na imprensa, entanto controlar tanto as forças esquerdistas como as de "Direita".

Lembro-me bem a retórica dos anos 90 em que não se falava noutra coisa a não ser na globalização. Mas era proibido ser contra, apenas se podia defender "outra" globalização e nunca ser contra.

A Democracia passou a ser a principal ferramenta para atingir esses objectivos uma vez que é a mais fácil corromper e forma mais eficaz de endoutrinar o povo, uma vez que este julga que em democracia é livre.
Portanto o que se está a passar hoje visa os mesmo objectivo, mas adaptado e mais refinado do que o tal comunismo bruto e primitivo e repressivo.

N disse...

"A Democracia passou a ser a principal ferramenta para atingir esses objectivos uma vez que é a mais fácil corromper e forma mais eficaz de endoutrinar o povo, uma vez que este julga que em democracia é livre.
Portanto o que se está a passar hoje visa os mesmo objectivo, mas adaptado e mais refinado do que o tal comunismo bruto e primitivo e repressivo."

Ora nem mais...

Anónimo disse...

Antirracismo estatal na América do século dezanove:


http://en.wikipedia.org/wiki/Enforcement_Act_of_1871_%28third_act%29

Gang2 Ervilha disse...

Marx estava sim embebido de talmudismo, apenas camuflou-o com a "luta de classes", conhecendo muito bem as aptitudes dos seus em se apropriarem do suor dos outros, elaborou o "proprietário dos meios de produção" (veja-se o judeu ladrão) e o "proletariado" (veja-se o goyim roubado). No entanto o que ele não nos diz, é que os de cima (raça judaica) infiltram os de baixo (raça branca), os ditos lacaios. Com a ajuda dos lacaios goyim's ao serviço dos judeus, o proprietário dos meios de produção tenta enfraquecer a força do proletariado (destruir a raça branca) com a mistura do "proletariado das cavernas" (veja-se afro-árabes). Para o proletariado afro-árabe, inverte-se os conceitos, pois o proprietário dos meios de produção na visão deles, já não é o judeu, mas sim o branco. Não vêm mais longe do que o nariz e então todo o ódio do proletariado das cavernas é dirigido para o proprietário dos meios de produção: o branco. Na realidade no meio desta pseudo "luta de classes" (veja-se "luta racial"), o judeu está assentado no sofá a beber champanhe enquanto a raça branca vai desaparecendo, pois conseguiu convencer pelo malícia aos olhos do proletariado das cavernas que o branco é que é o capitalista. Desta maneira o branco está no meio, atacado pelos capitalistas (raça talmúdica) de um lado, e atacado pelo proletariado das cavernas de outro lado (raça afro-árabe).

Está um bom trabalho neste blog, boa continuação. Boas

Thor disse...

"Marx estava sim embebido de talmudismo, apenas camuflou-o com a "luta de classes", conhecendo muito bem as aptitudes dos seus em se apropriarem do suor dos outros, elaborou o "proprietário dos meios de produção" (veja-se o judeu ladrão) e o "proletariado" (veja-se o goyim roubado)."



nem mais. o 'manifesto' é supremacismo judaico e talmudismo em linguagem codificada.

incrível que haja gente que não quer perceber uma coisa tão flagrante.

Gang2 Ervilha disse...

Ora nem mais: "talmudismo em linguagem codificada", é mesmo o termo correcto. Não podias ter escolhido melhor. Boas dica essa.

Gang2 Ervilha disse...

Apenas vem confirmar uma vez mais o assunto, uma relíquia esta, quem fala é um judeu:

http://gangdaervilha.blogspot.pt/2015/10/maurice-muret-sobre-karl-marx.html