"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

louçã e a aliança

video


sensivelmente a partir dos 0:55 segundos:

«mas esta esquerda grande tem que ser grande também, pela representação dos mais explorados: trabalhadores, precários, reformados, desempregadas, imigrantes, pobres, a aliança de que nós precisamos e como precisamos dessa aliança


se no post anterior, vimos como a parte ilegal da esquerda se associa a alienígenas, aqui vemos também como a parte legal da esquerda faz o mesmo, e sempre o fez.
recordando as palavras do ex-marxista David Horowitz:

«Narrador:
Foi Marcuse quem, finalmente, respondeu à pergunta proposta por Horkheimer no início dos anos 30 «quem poderá substituir a classe trabalhadora como agente da revolução?»

David Horowitz:
Por isso, tinhas que encontrar algum novo eleitorado, quer fosse os estudantes, ou os negros, ou as mulheres, ou os gays ou o que fosse, e Marcuse tinha um Marxismo fluído que se encaixou nisto.»

FONTE


Louçã é um fiel seguidor da escola de Frankfurt e até do seu amo Trotsky, um dos primeiros a dizer que talvez se poderia utilizar os negros para fazerem aquilo que a «classe trabalhadora» não fez...

terça-feira, 29 de novembro de 2011

anarquistas e alienígenas aliados

Radicais anarquistas junto a gangues de bairros perigosos

SIS detectou ligação nos confrontos de 2009 no bairro da Bela Vista, Setúbal, alerta Observatório da Segurança.

O presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT) alerta para a formação de uma "aliança preocupante" entre alguns anarquistas mais radicais e elementos de gangues criminosos de bairros problemáticos.

José Manuel Anes revelou ao DN que, já em 2009, o Serviço de Informações e Segurança (SIS) constatou que essa coligação tinha estado em acção nos violentos confrontos contra a polícia no bairro da Bela Vista, em Setúbal, na qual foram usados vários cocktails Molotov, uma "marca" dos extremistas.

FONTE


pois claro. mas já sabemos que os grupelhos de esquerda radical e os gangues perigosos são «peanuts». o que interessa é «informar» a malta e alertar os jovens para o perigo do «radicalismo» xenófobo, e para o perigo dos Breiviks e outros que tais, ocupando horas e horas de debate nas TVs, entrevistas, peças jornalísticas, etc...e até documentários, como há pouco mais de 3 meses na rtp.
mas casos como este estão condenados a 2 ou 3 linhas num jornal e a nem serem mencionados nas TVs.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

a participação judaica na imigração 3ºmundista

a censura ideológica, em pleno século XXI, quer fazer-nos retornar outra vez à Idade das Trevas, como se pode comprovar neste video  (http://www.youtube.com/watch?v=nvP9OlSGB_M), cuja justificação/pretexto para a censura do mesmo é que faz «apologia ao ódio» (mostrar factos, mostrar que as pessoas X e Y fazem Z é «apologia ao ódio». bom pretexto para censurar factos que não convém que se saiba).
mas voltando ao assunto, enquanto a censura não apaga de vez todos os vídeos «incómodos» para o sistema, vamos ver como os judeus participam na imigração vinda do 3º Mundo, neste caso, relativamente aos EUA, cuja população ainda é mais de 50% branca.

"The Jewish Stake in Third World Immigration - Dr. William Pierce

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

«racismo», uma invenção trotskista


«Anti-racism is the Marxist ideology of opposition to 'racism'. According to the Oxford English Dictionary, the term “racist” was coined by Leon Trotsky in 1930 in an article attacking the Slavophiles. Leon Trotsky used the term "racism" as early as 1933.  Deracination ideology is a major focus of  Cultural Marxism.»

«Anti-racismo é a ideologia Marxista oposta ao 'racismo'. Segundo o Dicionário Inglês Oxford, o termo "racista" foi cunhado por Leon Trotksy em 1930 num artigo em que atacava os «Eslavófilos». Leon Trotsky usou o termo "racismo" já em 1933. A ideologia de erradicação (genocídio) é um ponto fundamental do Marxismo Cultural.»                                        

FONTE: Metapedia




podem ver também a referência:  «THE OXFORD ENGLISH DICTIONARY, Second Edition, published by Clarendon Press, Oxford, (1989), Volume XIII, page 74.»


mais alguns links esclarecedores:
http://original-nazis.wetpaint.com/page/Trotsky+and+Racism
http://newrightamerica.blogspot.com/2010/01/racist-word-invented-by-ussrs-leon.html
http://www.stormfront.org/forum/t702814/
http://www.marxists.org/archive/trotsky/1930/hrr/ch01.htm
http://1millionunited.org/blogs/blog/2010/01/01/the-trotsky-invented-the-concept-of-racism-myth/
http://www.vnnforum.com/showthread.php?t=63224
http://www.theregister.co.uk/2007/07/23/metapedia/


pois é, não há a mínima dúvida de que o «racismo» é uma invenção recente e que o genocídio da raça branca tal como o multirracialismo foi premeditado e calculado, pelo marxismo cultural e pelo trotskismo.  compreende-se a raiva do judeu Bronstein...numa sociedade multirracial, os judeus passam melhor por brancos de primeira e erradicando os Arianos, seriam os judeus a assumir a posição de líderes mundiais.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

opressão e bárbarie nazi












imagens da liber...coff, coff...da invasão bárbara e opressora da Estónia pelo exército Nazi, liber....ups,  privando assim a população Estónia das garr.....aham....da administração democrática e humanista soviética, facto que não foi nada bem aceite pela população estónia, descontente com a «opressão» e «bárbarie» nazi.
«In Estonia, suffering in a communist hell, the invading Germans were enthusiastically greeted as liberators»
«The Germans permitted the estonians to keep their national flag.»

mas...então...esses...esses...bárbaros incivilizados Estónios estavam insatisfeitos com a humanista, democrática, pacifista ocupação soviética e, ainda por cima, tinham o desplante de saudar a vinda desses exércitos alemães, que toda a gente sabe que são maus, carniceiros, assassinos e opressores??
então não educaram suficientemente bem esses malditos estónios? não lhes ensinaram que os nazis/fascistas não são humanistas, ao contrário desses humanitários, bondosos e democráticos soviéticos?
este Mundo está mesmo perdido...

origens do Politicamente Correcto 2


Por William S. Lind
As Origens do Politicamente Correcto

Resumo:
A América passa hoje pela maior e mais terrível transformação da sua história. Os EUA estão a transformar-se num Estado ideológico, num país com uma doutrina oficial apoiada pelo poder estatal.

Nota editorial:
Bill Lind é director do "Centre for Cultural Conservatism for the Free Congress Foundation" e fez discursos semelhantes a este por diversas vezes em nome da Accuracy in Academia. Este, em particular, foi proferido na American University, em 2000. A sua importância é crucial na medida em que traça as raízes intelectuais do discurso politicamente correcto. Em geral, as pessoas imaginam que as ideias são como o vento, cuja origem é incerta e desconhecida: ora sopra para um lado, ora para outro. Como dizia Ricard Weaver, as ideias têm consequências, e encontrar as suas origens é essencial para combater o mal que delas deriva.

De onde vêm todas essas coisas de que se ouve falar – o feminismo, o movimento gay, as estatísticas inventadas, a história reescrita, as mentiras, os protestos e todo o resto? Pela primeira vez na história os americanos têm motivos para tomar cuidado com o que dizem, com o que escrevem, com o que pensam. Eles têm que ter medo de usar a palavra errada, a palavra tida como ofensiva, insensível, racista, machista ou homofóbica.

Tem-se observado, particularmente neste século, o mesmo cenário noutros países, e a sensação que se tem é de pena e, para dizer a verdade, de diversão, além de soar muito estranho que as pessoas possam permitir-se viver numa situação onde elas tenham medo de usar as palavras que usam. E nós estamos a viver essa situação aqui nos EUA. Primeiro aconteceu nas universidades, mas agora a coisa está a espalhar-se por toda a sociedade. Qual a origem disto? O que é, ao certo?

Nós chamamos-lhe "politicamente correcto". O nome teve origem como uma piada, e nós ainda tendemos a pensar no assunto com metade da seriedade devida. Na verdade, é algo terrivelmente sério. É a grande doença do século, a mesma que fez dezenas de milhões de mortos na Europa, Rússia, China, em todo o mundo. É a doença da ideologia.

Se olharmos o problema de maneira analítica, de maneira histórica, rapidamente descobriremos a sua natureza exacta. Politicamente correcto é igual a marxismo cultural. É marxismo traduzido de termos económicos para termos culturais. É um esforço que começa não nos anos 1960, com os hippies e o movimento pacifista, mas sim na Primeira Guerra Mundial. Se nós compararmos os conceitos básicos do politicamente correcto com o marxismo, o paralelo entre eles é bastante óbvio.

Em primeiro lugar, ambos são ideologias totalitárias. A natureza totalitária do politicamente correcto não poderia ser revelada de maneira mais clara do que nos campus universitários, os quais muitos deles são hoje em dia pequenas Coreias do Norte com jardim, onde os estudantes e professores que ousam cruzar qualquer dos limites colocados por feministas, ou por activistas pró-homossexuais, ou por grupos negros ou hispânicos locais, ou quaisquer outros grupos de que o politicamente correcto possa girar em torno, rapidamente se vêem em problemas judiciais. Dentro do pequeno sistema legal da universidade, eles enfrentam acusações formais – alguns procedimentos inquisitórios – e punição.  Essa é uma pequena amostra daquilo que o politicamente correcto pretende para todo o país.

Na verdade, todas as ideologias são totalitárias porque a essência de uma ideologia (lembro que o conservadorismo, correctamente entendido, não é uma ideologia) é afirmar, com base numa filosofia, que certas coisas devem estar de acordo com ela – como, por exemplo, a ideia de que toda a história da nossa cultura resume-se à opressão das mulheres. Como a realidade contradiz essa filosofia, então a própria realidade deve ser proibida. E é preciso tornar-se proibida para que reconheçamos a realidade da nossa história. As pessoas devem ser obrigadas a viver uma mentira, e já que as pessoas são naturalmente relutantes em fazê-lo, elas naturalmente usam os olhos e ouvidos e pensam: "Espera um minuto. Isto não é verdade. Eu consigo ver que não é". Então o poder do Estado deve ser colocado por detrás da exigência de se viver uma mentira. É por isso que ideologias invariavelmente dão origem a Estados totalitários.

Em segundo lugar, o marxismo cultural do politicamente correcto, como a economia marxista, tem uma singular explicação da história. A economia marxista afirma que toda a história é determinada pela propriedade dos meios de produção. O marxismo cultural, ou politicamente correcto, afirma que a história é determinada pelo poder, onde grupos são definidos em termos de raça, sexo, etc., e têm o poder sobre outros grupos. Nada mais importa. Na verdade, toda a literatura é sobre isso. Todas as coisas passadas têm a ver com isso.

Em terceiro lugar, do mesmo modo que certos grupos na economia marxista clássica, i.e. trabalhadores e camponeses, são bons à priori, e outros grupos, i.e. burgueses e donos de capital, são maus, no marxismo cultural politicamente correcto certos grupos também são bons – mulheres feministas (apenas elas, mulheres não-feministas são tidas como inexistentes), negros, hispânicos, homossexuais. Esses grupos são escolhidos para serem "vítimas" e, por isso, são automaticamente bons, independentemente do que façam. Similarmente, machos brancos são automaticamente determinados para serem maus, tornando-se assim o equivalente aos burgueses da economia marxista.

Em quarto lugar, ambos (marxismo económico e cultural) baseiam-se na expropriação. Quando os marxistas clássicos – os comunistas – tomaram o poder na Rússia, eles expropriaram a burguesia tomando as suas propriedades. Do mesmo modo, quando os marxistas culturais tomam um campus universitário, eles expropriam através de quotas de admissão. Quando um estudante branco mais qualificado tem a sua admissão negada em favor de um negro ou de um hispânico não tão qualificado, o estudante branco é expropriado. Empresas de propriedade de brancos não conseguem um contrato porque este é reservado para uma empresa de propriedade de, digamos, hispânicos ou mulheres. Logo, expropriação é a principal ferramenta para ambas as formas de marxismo.

E, finalmente, ambos têm um método de análise que automaticamente dá a resposta que eles querem. Para o marxista clássico, o método é a economia marxista. Para o marxista cultural, o método é o desconstrucionismo. Essencialmente, o desconstrucionismo remove todo o sentido de um texto e reinsere qualquer sentido desejado. Então nós descobrimos, por exemplo, que toda a obra de Shakespeare é sobre a opressão das mulheres, ou a Bíblia é sobre raça e sexo. Todos estes textos tornaram-se úteis para provar que "toda a História é sobre quais grupos têm poder sobre os outros". Por isso os paralelos são tão evidentes entre o marxismo clássico - que nós conhecemos da antiga União Soviética - e o marxismo cultural - que nós vemos hoje como politicamente correcto.

Mas os paralelos não são acidentais. Os paralelos não vieram do nada. O facto é que o politicamente correcto tem uma história muito mais longa do que as pessoas pensam, excepto para um pequeno grupo de académicos que têm estudado o assunto. E a história vai, como eu disse, de volta à Primeira Guerra Mundial, da mesma forma que tantas patologias que vêm destruindo a nossa sociedade e, no fundo, a nossa cultura.

A teoria marxista dizia que quando a guerra generalizada na Europa chegasse (como aconteceu em 1914), a classe trabalhadora da Europa iria levantar-se e derrubar os seus respectivos governos – os governos burgueses – porque os trabalhadores tinham mais em comum com os seus pares de outros países do que com a burguesia e a classe dominante nos seus próprios países. Bem, 1914 chegou e isso não aconteceu. Por toda a Europa os trabalhadores agarraram-se às suas bandeiras nacionais e marcharam satisfeitos para lutar uns contra os outros. O Kaiser apertou as mãos dos social-democratas alemães e disse que naquele momento não havia partidos, só havia alemães. E isso aconteceu em cada país da Europa. Alguma coisa estava errada.

Os marxistas sabiam que, por definição, esse algo não poderia ser a teoria. Em 1917, finalmente conseguiram um golpe Marxista na Rússia e parecia que a teoria estava a funcionar, mas estagnou outra vez. Não se espalhou e quando, logo após o final da Guerra, foram feitas tentativas de propagação com a revolução Espartaquista em Berlim, com o governo de Béla Kun na Hungria ou com o Soviete de Munique, os trabalhadores não as apoiaram. Por isso, alguma coisa estava errada.

Então os marxistas tinham um problema. E dois marxistas começaram a pensar nisso: Antonio Gramsci na Itália e Georg Lukacs na Hungria. Gramsci disse que os trabalhadores jamais iriam perceber os seus verdadeiros interesses de classe, tal como definidos pelo marxismo, até serem libertados da cultura ocidental, particularmente do Cristianismo, uma vez que todos eles estavam cegos pela religião e pela cultura aos seus reais interesses de classe. Lukács, que foi considerado o teórico marxista mais brilhante desde o próprio Marx, perguntou-se, em 1919: "Quem irá salvar-nos da cultura ocidental?"
Ele também teorizou que o grande obstáculo à criação do paraíso marxista era a cultura e, por conseguinte, a própria civilização ocidental.

Lukács teve a ocasião de pôr as suas idéias em prática, porque quando o governo bolchevique de Béla Kun tomou o poder na Hungria em 1919, ele tornou-se Comissário para a Cultura naquele país, sendo que o seu primeiro acto foi introduzir a educação sexual nas escolas húngaras. A medida assegurou que os trabalhadores não apoiassem o governo, porque os húngaros detestavam-na, tanto trabalhadores como qualquer um.  Mas ele já tinha feito a conexão que hoje muitos de nós encaramos com surpresa, como uma coisa moderníssima.

Em 1923, na Alemanha, foi fundado um centro de estudos que tomou para si a tarefa de traduzir o marxismo de termos económicos para culturais, o que criou o politicamente correcto que conhecemos hoje, tendo, portanto, as suas bases assentes essencialmente no fim da década de 1930. Isso foi possível por causa de Felix Weil, filho de um milionário comerciante alemão, que se tornou marxista e tinha bastante dinheiro para gastar. Contrariado com as divisões dentro das fileiras marxistas, Weil patrocinou a Primeira Semana de Trabalho Marxista, reunindo Lukács e muitos outros importantes pensadores alemães para discutir sobre as diferenças do marxismo.

Então Weil decide que era preciso criar um think thank. Washington está cheia de think thanks, e nós pensamos que eles são novidades. Na verdade, eles existem há muito tempo. Weil subsidiou um instituto associado à Universidade de Frankfurt, fundado em 1923, que era originariamente para ser conhecido como o Instituto para o Marxismo. Mas as pessoas por detrás dele decidiram logo no começo que não era do seu interesse serem identificados abertamente como marxistas. A última coisa que o politicamente correcto quer, é que as pessoas percebam que ele é uma forma de marxismo. Então eles decidiram chamá-lo de Instituto de Pesquisa Social.

Weil era muito claro quanto aos seus objectivos. Em 1971, quando o Instituto de Pesquisa Social rapidamente ficava conhecido informalmente, ele escreveu para Martin Jay - autor de um livro sobre os princípios da Escola de Frankfurt – e disse: "Eu quero que o Instituto fique conhecido, talvez até famoso, em função das suas contribuições para o marxismo." Bem, ele teve o que queria. O primeiro director do Instituto, um economista austríaco chamado Carl Grunberg, finalizou o seu discurso, de acordo com Martin Jay, "colocando de maneira clara a sua convicção pessoal na metodologia científica do marxismo". Segundo ele, o marxismo seria o princípio norteador do Instituto, e isso nunca mudou.
Os trabalhos iniciais do Instituto eram convencionais, mas em 1930 foi assumido por um novo director chamado Marx Horkheimer, e as visões dele eram bem diferentes. Ele era definitivamente um marxista renegado. As pessoas que criaram e formaram a Escola de Frankfurt eram todos eles marxistas renegados. Eles eram ainda verdadeiramente marxistas no seu pensamento, mas tinham efectivamente saído do Partido. Moscovo, se observasse o que eles faziam, diria algo como "Ei, isto não somos nós, não vamos apoiar uma coisa destas."

A primeira heresia de Horkheimer é que ele era muito interessado em Freud, e a chave para que ele pudesse traduzir o marxismo de termos económicos para termos culturais era essencialmente a sua combinação com o freudismo. Mais uma vez, Martin Jay escreve que "Se podemos afirmar que, no começo da sua história, o Instituto preocupava-se primeiramente com a subestrutura sócio-económica da sociedade burguesa" – e eu observo que Jay é simpatizante da Escola de Frankfurt, não estou a citar um crítico dela aqui –, "nos anos que se seguiram, os seus interesses iniciais eram pela sua superestrutura cultural. De facto, a fórmula marxista tradicional, no que diz respeito à relação das duas, foi posta em questão pela Teoria Crítica."

Todas essas coisas da moda – feminismo radical, os departamentos de estudos das mulheres, dos gays, dos negros – todas elas são ramificações da Teoria Crítica. O que a Escola de Frankfurt faz essencialmente é usar tanto o marxismo como o freudismo nos anos 1930 para criar o que se conhece por Teoria Crítica. O termo é engenhoso porque ficamos tentados a perguntar, "Do que se trata a teoria?" A teoria serve para criticar. A teoria é o caminho para destruir a cultura ocidental e não aceitar que o capitalismo seja uma alternativa. Os seus teóricos recusam-se explicitamente a aceitar essa hipótese. Eles afirmam que a alternativa capitalista não é válida, uma vez que não nos é dado imaginar como deve ser uma sociedade livre (a definição deles de sociedade livre). Dado que nós estamos sob repressão – a repressão da ordem capitalista que cria (na teoria deles) a patologia descrita por Freud da repressão individual – nós não podemos imaginá-la. A Teoria Crítica resume-se simplesmente a criticar. E isso exige a crítica mais destrutiva possível, em todas as possibilidades, projectada para destruir a ordem contemporânea. E, claro, quando ouvimos das feministas que toda a sociedade está contra as mulheres e assim por diante, esse tipo de crítica deriva da Teoria Crítica. Tudo vem dos anos 1930, não dos anos 1960.

Outros membros importantes que se juntaram à equipa foram Teodor Adorno mas, especialmente, Erich Fromm e Herbert Marcuse. Fromm e Marcuse introduziram um elemento que é central no politicamente correcto: o sexo; particularmente Marcuse, que nos seus próprios escritos clamava por uma sociedade "polimorficamente perversa", a sua definição para a sociedade futura que desejava criar. Nos anos 1930, Marcuse escrevia coisas bastante extremadas sobre a necessidade de libertação sexual, mas essa acabou por tornar-se uma bandeira de todo o Instituto. Mais uma vez, um dos principais temas do politicamente correcto começou nos anos 1930. Na visão de Fromm, masculinidade e feminilidade não reflectiam diferenças essenciais como os românticos tinham pensado. Na verdade, essas diferenças derivavam de funções da vida, que eram em parte socialmente determinadas. "Sexo é uma convenção; diferenças sexuais são convenções."

Outro exemplo é a ênfase que verificamos hoje no ecologismo. "Desde Hobbes, o materialismo levou a uma manipulação dominadora sobre a natureza". Este é Horkheimer a escrever, em 1933, na obra Materialismus und Moral. "O tema da dominação do homem sobre a natureza", de acordo com Jay, "tinha que tornar-se numa preocupação central da Escola de Frankfurt nos anos seguintes." "O antagonismo da fetichização do trabalho de Horkheimer (aqui ele está obviamente partindo da ortodoxia marxista) expressa outra dimensão do materialismo, da demanda pelo humano, pela felicidade sensual." Num dos seus mais profundos ensaios, Egoísmo e o Movimento para a Emancipação, escrito em 1936, Horkheimer diz "discute a hostilidade em relação à gratificação pessoal, inerente à cultura burguesa." E ele especificamente faz referência favorável ao Marquês de Sade, pelo seu "protesto... contra o ascetismo em nome de uma moral mais elevada."

Mas como as coisas chegaram a esse ponto? Como entraram nas nossas universidades e nas nossas vidas? Os membros da Escola de Frankfurt são marxistas, mas também são judeus. Em 1933, os nazis tomaram o poder na Alemanha e, naturalmente, fecharam o Instituto de Pesquisa Social. Os membros do Instituto deixaram o país. Eles foram para Nova York, onde o Instituto foi restabelecido com o apoio da Columbia University. E gradualmente os membros do Instituto, durante os anos 1930 – apesar de muitos deles ainda escreverem em alemão – mudaram o foco da Teoria Crítica sobre a sociedade alemã - o criticismo sobre cada aspecto daquela sociedade - para a sociedade americana. E houve outra importante transição quando chegou a guerra. Alguns deles foram trabalhar no governo, incluindo Herbert Marcuse, o qual se tornou figura chave na OSS (a precursora da CIA), e muitos outros, incluindo Horkheimer e Adorno, mudaram-se para Hollywood.

Estas origens do politicamente correcto não significariam muito para nós hoje, se não fossem dois eventos subsequentes. O primeiro foi a rebelião dos estudantes nos anos 1960, a qual se deu em grande parte pela resistência à convocação para as forças armadas e à Guerra do Vietname. Mas os estudantes rebeldes precisavam de algum tipo de teoria. Eles não podiam simplesmente dizer: "Que se lixe, nós não vamos"; eles precisavam de alguma base teórica por detrás disso. Poucos deles estavam interessados em embrenhar-se na leitura de "O Capital". O marxismo económico clássico não é nada leve, e a maioria dos radicais da década de ‘60 eram pouco profundos. Felizmente para eles, e infelizmente para o nosso país como um todo – não só para a universidade – Herbert Marcuse permaneceu na América depois da Escola de Frankfurt restabelecer-se na Alemanha após a Guerra. Na Alemanha, enquanto Adorno ficava estarrecido quando rebentou a rebelião por lá – os estudantes invadiram a sala de aula de Adorno e ele chamou a polícia para prendê-los –, Herbert Marcuse, que permaneceu nos EUA, viu na revolta a grande oportunidade. Ele percebeu a oportunidade de transformar os trabalhos da Escola de Frankfurt na teoria da New Left nos EUA.

Um dos livros de Marcuse foi essencial para o processo. Este livro transformou-se na bíblia do SDS (*) e dos estudantes rebeldes dos anos 1960. Em Eros e a Civilização, Marcuse argumenta que debaixo da ordem capitalista (ele maquilha fortemente o marxismo, o sub-título é Uma Investigação Filosófica de Freud, mas o esqueleto é marxista) a repressão é a sua essência, e disso resulta na descrição freudiana: o indivíduo com todos os complexos e neuroses em função do desejo sexual reprimido. É possível visualizar um futuro - quando se puder destruir a ordem repressiva vigente – no qual sendo Eros libertado, liberta a libido, o que conduz ao mundo da "perversidade polimórfica" onde "cada um pode fazer o que quiser". Diga-se de passagem, nesse mundo não haverá mais trabalho, apenas diversão. Que mensagem maravilhosa para os radicais dos anos 1960! Eles eram estudantes, eram babyboomers, e estavam a crescer sem terem que preocupar-se com nada, excepto eventualmente em arranjar um emprego. E aqui temos um indíviduo que escreve umas coisas muito fáceis de serem seguidas. Ele não exige dos jovens densas leituras de marxismo e, principalmente, diz-lhes as coisas que querem ouvir. "Faça o que quiser", "É bom fazer isto" e "Vocês nunca vão ter que trabalhar". Aliás, Marcuse foi o homem que inventou a frase "Faça amor, não faça a guerra." Voltando para o problema enfrentado nos campus, Marcuse define "tolerância libertadora" como intolerância para tudo o que vem da direita e tolerância para qualquer coisa que venha da esquerda. Marcuse juntou-se à Escola de Frankfurt em 1932 (salvo engano). Mais uma vez, a coisa começou na década de ‘30.

Por fim, a América passa hoje pela maior e mais terrível transformação da sua história. Os EUA estão a transformar-se num Estado ideológico, num país com uma doutrina oficial apoiada pelo poder estatal. Há pessoas a cumprir pena por "crimes de ódio", ou seja, crimes políticos. E o Congresso movimenta-se no sentido de expandir essa categoria de crimes ainda mais. A acção afirmativa é parte disso. O terror contra qualquer um que discorde do ‘politicamente correcto’ nas universidades é parte disso. Exactamente aquilo que aconteceu na Rússia, na Alemanha, na Itália, na China, está a ocorrer aqui. E nós não percebemos porque nós chamamos-lhe "politicamente correcto" e rimo-nos. A minha mensagem é que isso não tem graça nenhuma, está bem aqui, está a crescer, e eventualmente vai destruir – como deseja fazer, tudo o que nós sempre entendemos como a nossa liberdade e a nossa cultura.


(*): SDS é a Students for a Democratic Society, uma organização estudantil fundada em 1960 para promover a participação em assuntos governamentais (após o início da Guerra do Vietname dedicou-se a protestar activamente contra a guerra).

Publicado por Academia.org

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

o que é realmente o sionismo

zionism a scam - A section of the jews avows itself quite openly as an alien people, but even here there is another falsehood. When the zionists try to make the rest of the world believe that the new national consciousness of the jews will be satisfied by a jewish state in Palestine, the jews thereby adopt another means to dupe the simple-minded gentile. They have not the slightest intention of building up a jewish state in Palestine so as to live in it. What they really are aiming at is to establish a central organization for their international swindling and cheating. - A. Hitler, Page 184, Main Kampf

sionismo uma fraude - Alguns judeus declaram-se abertamente como alienígenas, mas mesmo aqui há outra mentira.  Quando os sionistas tentam fazer o resto do Mundo acreditar que a nova consciência nacional dos judeus ficará satisfeita com um estado judeu na Palestina, os judeus adoptam, deste modo, outras formas de ludibriar os gentios ingénuos. Eles não têm a mais leve intenção de construir um estado judeu na Palestina para lá viverem.  O que eles realmente visam, é estabelecer uma organização central para a sua tramóia e trapaça internacionalista. - Adolf Hitler,  Pág. 184, Mein Kampf

sábado, 12 de novembro de 2011

o polvo maçónico























Mais de 80 Maçons em cargos influentes na política e economia
«Miguel Relvas, um dos ministros mais influentes, Carlos Zorrinho líder da bancada do PS, autarcas como Moita Flores ou Isaltino Morais, ex-ministros como Rui Pereira, ex-presidentes da AR como Almeida Santos, empresários como Jorge Coelho, deputados e muitas personalidades da sociedade fazem parte desta organização semi-secreta...»