"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

a verdade nua e crua sobre o marxismo sionista


anarquistas atacam sede da Lega Nord à bomba

 Duas pequenas bombas explodem em sede da Liga Norte

Duas pequenas bombas explodiram em frente à sede da Liga Norte, partido de direita membro da coligação do Governo italiano, sem fazer vítimas.

 A Liga Norte, de Umberto Bossi, é um partido que tem feito do combate à imigração a sua bandeira. Bossi vive a um quarteirão da sede do seu partido.

Segundo a polícia, os responsáveis por este ataque deverão ser elementos do mesmo grupo anarquista que na semana passada enviou pacotes armadilhados a três embaixadas em Roma, deixando duas pessoas feridas, um delas com gravidade.


FONTE

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

1º candidato a belém defende multiculturalismo

Cavaco Silva defende liberdade religiosa

O Presidente da República e candidato presidencial, Cavaco Silva, defendeu esta quarta-feira a liberdade religiosa, num discurso em que citou o Talmude, o Alcorão e Gandhi, e considerou que o diálogo entre religiões é necessário à Europa.

Na sua qualidade de candidato às Presidenciais de 23 de Janeiro de 2011, Cavaco Silva almoçou com representantes de várias comunidades religiosas, num restaurante de Lisboa.

"Sou cristão, como sabeis. Entendo que todas as religiões do bem nos aproximam de Deus. Acredito firmemente que todas elas fazem parte do plano de Deus para abrir as portas a uma nova era de esperança. Sinto-me, por isso, em casa quando me encontro com os crentes das religiões do bem", declarou, no início da sua intervenção.

Em seguida, Cavaco Silva considerou que os portugueses são "herdeiros de um património histórico no qual a fé iluminou o modo de ser e de estar" e abriram "o mundo ao diálogo universal", tornando-se "um povo vocacionado para o reconhecimento do valor da pluralidade religiosa".

"Entre nós, os crentes das mais diversas religiões vivem a sua fé em liberdade. Por isso, exultamos quando os líderes das diferentes religiões empreendem um diálogo aberto e prometedor - um diálogo necessário à própria Europa", completou.

Cavaco Silva defendeu que "cada ser humano possui o direito inviolável de praticar a religião que entender ou de não praticar nenhuma religião" e que "o exemplo de diálogo e de respeito dado pelas religiões do bem deve ser entendido pelos estados".

"Os poderes públicos que ofenderam a liberdade combatendo e até proibindo a religião não conseguiram abalar a fé dos homens, mas conseguiram algo muito negativo: empobrecer espiritual, moral e socialmente as suas comunidades", criticou.

Segundo o candidato Presidencial apoiado pelo PSD, CDS-PP e MEP, "a religião responde às aspirações mais profundas do homem" e "as religiões do bem apresentam uma virtude preciosa nos tempos atribulados que vivemos: são também religiões de esperança".

"Nestes tempos, deve ser dada a palavra aos portadores de uma mensagem de esperança, deve ser dada a palavra àqueles que se preocupam com o outro e que para ele estão disponíveis", disse.

No seu entender, "todas as religiões do bem têm desde sempre procurado responder à pergunta fundamental que interpela o homem: que fizeste do teu irmão?" e Portugal precisa que "os crentes das religiões da esperança dêem testemunho das suas razões para esperar um mundo melhor".

Antes, discursou o presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, Abdool Vakil, que apontou Cavaco Silva como um garante de que em Portugal continuará a existir "um ambiente de liberdade, de respeito mútuo" entre religiões, numa época em que a "islamofobia" cresce, "infelizmente, em vários países da Europa".

"Tranquiliza-me na pessoa do candidato Cavaco Silva a sua reconhecida competência, as suas excepcionais capacidades de liderança e a determinação que transparece em restaurar a confiança e a credibilidade em Portugal e, muito especialmente, a necessária autoestima dos portugueses", afirmou o antigo presidente do Banco Português de Negócios (BPN).

FONTE



como sempre, a cristandade submissa baixa as calças a islâmicos, judeus e sabe-se lá que mais...
mas mais grave do que isso, é encontrar-se com representantes dessas seitas - como se não bastasse o próprio cristianismo - em solo português.  se ele quer "diálogo" que vá "dialogar" sozinho para o Médio Oriente. aliás, não foi este senhor aqui que disse que se sentia em casa na Turquia????

enfim, depois, lamentar o crescimento da "islamofobia" em vários países europeus (ao mesmo tempo ignorando todos os maleficios, abusos e crimes dessa seita em solo estrangeiro) vai bem na linha dos valores cristãos de submissão e rendição, dos quais este Cavaco é fiel acólito.

é "isto" que vai ser reeleito para o cargo de presidente da Républica mais cinco anos???
pensem bem, senhores, antes de votar em qualquer um.  ou votar no(s) partido(s) que o apoiam.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

camões ignorava que era um galego


o poeta camões ignorava que era filho de galegos , logo um galego, nascesse onde nascesse, fosse em Coimbra, Lisboa ou Alcaber-Quibir.

"A Casa ancestral dos Camões tinha as suas origens na Galiza, não longe do Cabo Finisterra. Por via paterna, Luís de Camões seria descendente de Vasco Pires de Camões, trovador galego, guerreiro e fidalgo, que se mudou para Portugal em 1370..."








porque só essa ignorância explica isto:

"Ó sórdidos Galegos, duro bando,
Que para resistirdes vos armastes,
Aqueles, cujos golpes já provasses."

Os Lusíadas, canto IV; estrofe 10



nota: Camões não faz distinção entre Lusos e Lusitanos, são o mesmo. aliás, atribui a fundação da Lusitânia à personagem mitológica de Luso.

"Este que vês é Luso, donde a fama
O nosso Reino Lusitânia chama."


Os Lusiadas, canto VIII; estrofe 2

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

o polvo

a cabeça do polvo e os seus tentáculos/descendentes directos ou indirectos.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

celtismo, moda e mito galego do séc. XIX ??
















FONTE: Descripçam corografica do reyno de Portugal", António de Oliveira Freire, 1739 (séc.XVIII)

conservadorismo

quantas vezes muitos de nós, não ouvimos já o argumento de que todos os "extremos" são maus, seja de "direita" ou seja de "esquerda" e que a virtude está no pensamento politico moderado e supostamente "conservador" ou de centro???
decerto muitas vezes já ouvimos estes argumentos, mas que na realidade não passam de falácias e retórica vazia, sem profundidade.
será que o termo "conservador" significa aquilo que essas pessoas querem que signifique?

conservador é quem conserva. a conservação implica tudo. implica conservar as tradições, a terra, a cultura, a história, o sangue.  quem quer conservar isto tudo, é que é conservador.
haverá, então, alguma coisa mais conservadora do que a politica nacionalista ou nacional-socialista?

um exemplo, quantos de nós não ouvimos já pessoas horrorizadas com o simbolo da suástica, classificando-a de "extremista", "radical", "ofensiva", tentando demonizar e diabolizar esse simbolo, através da estigmatização da imagem, como também fazem com palavras ou sons (rrracista, fasccista, naziii) criando um reflexo negativo imediato na mente de todos quanto ouvem esses sons ou observam esses simbolos.
é ponto assente. a suástica é "radical", "extremista" e nada conservadora.

será mesmo assim??
quem conhece mesmo os factos, e não é ignorante, então sabe que não existe coisa mais conservadora neste mundo do que uma bela suástica, um simbolo milenar usado pelos nossos antepassados indo-europeus.
haverá, afinal, coisa mais conservadora do que a recuperação, conservação e eternização de um belo simbolo ancestral milenar e tradicional.  a suástica é o simbolo do verdadeiro conservadorismo: sangue, terra, cultura, tradição, familia!
ainda por cima, a suástica de 3 braços (trisquel) representa o equilibrio entre mente, corpo e espirito...


os "moderados" (ou os esquerdas) nunca se preocuparam em conservar tradições, nunca se preocuparam com a divulgação histórica, com a preservação étnica, cultural, etc, etc
tudo o que uns e outros buscam é a pura alienação, com vista a estabelecer a sua sociedade de dialéctica puramente materialista e voraz dividida em dois tentáculos: esquerda e direita!
só isto conta para eles, só esta "luta" conta, tudo o resto é como se não existisse e é para abater/alienar, pois é um grande estorvo nesta dialéctica.
por isso tanto medo e tanto ódio dos supostos "extremistas". penso que quem não tivesse medo, não se preocuparia tanto em taxar algo de "extremista".




eis aqui um exemplo de "conservadorismo" dos "moderados" em Portugal.

outro exemplo será o governo e a sua aceitação do acordo ortográfico...ou os casamentos gay, etc

posto isto, quem são, afinal, os verdadeiros conservadores???

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

a crise de 1383-85





























contabilidade:
                                          D. Beatriz (Castela)     Mestre Aviz (Lusitânia)
região a Norte do Douro                  20                              6
Entre-Douro-e-Tejo:                        17                            22
do Tejo ao Algarve:                         11                            32


a diferença é abissal, por exemplo entre o Minho, no extremo-norte com as localidades todas do lado de D.Beatriz e o Algarve, no extremo-sul só com apoiantes do Mestre de Aviz, tal como a Margem Sul ou o Baixo Alentejo.
retirando a localidade asturo-falante de Miranda, que nem pertencia ao núcleo original do Condado Portucalense, são 80% de localidades apoiantes de D.Beatriz na região Norte (20-5).
a zona raiana e alto-transmontana também contava com 100% das localidades do lado de D. Beatriz.
quanto mais a Sul, mais localidades apoiavam o Mestre, e quanto mais a Norte, mais localidades apoiavam Castela. no Centro existe um equilibrio transitório, passando igualmente por várias localidades da raia alentejana, apoiantes de D. Beatriz.