"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Y-DNA na Grã-Bretanha











nos mapas acima expostos podemos observar o Y-DNA de diferentes regiões inglesas, galesas e córnicas, enquanto temos por outro lado, uma comparação com a Irlanda, País Basco e Norte da Europa.
nas regiões britânicas é visivel o contraste, por um lado, entre as regiões mais ocidentais (Gales, Cornualha) e, por outro, as orientais, mais influenciadas por povos germânicos.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

sobre o nascimento de Portugal

"Mau grado a contra-ofensiva muçulmana que se seguira às grandes conquistas de Afonso Henriques e Sancho I, a linha de fronteira deslocara-se definitivamente para Sul, atingindo o Tejo e prolongando-se por enclaves vários no Alentejo, que correspondiam exactamente a grandes cidades.
No entanto, uma Silves, uma Faro e uma Mértola continuavam islâmicas..."

(...)

"Fácil era dizer que o Sul, esvaziado de gentes, fora conquistado pelo Norte que lhe impusera as suas caracteristicas.
Foi essa a história que, durante séculos, se ensinou a gerações sucessivas. O Sul, e até o Centro, fora 'povoado','colonizado' pelo Norte, sem sequer se averiguar se as realidades demográficas permitiam tal emigração de nortenhos sem despovoar, por sua vez, o Norte.
Mas, se fora assim, ter-se-iam transferido para o Sul as condições sociais e económicas do país nortenho, não teria sido necessário ir recrutar gente ao estrangeiro para preencher quadros vagos por fugas ou destruições, criar-se-ia, como resultado, um país homogéneo e uniforme que a história dos séculos seguintes em nada autoriza a supôr.
(ironia modo on:) O espaço islâmico ficava reduzido às mourarias, ghettos de propicia e fecunda observação etnográfica.
Fora delas, o historiador movia-se em terreno conhecido, igual em Silves e em Guimarães. Uns quantos arcos em ferradura, abandonados à arte exótica, e umas tantas palavras em Al, tema arredado para filólogos, completavam a cena, a contento de todos..." (ironia modo off)

(...)

"O Estado de Portugal - Estado Feudal, entenda-se - vai assim nascer do encontro de duas realidades, da tentativa de fusão do Norte portucalês com o sul moçàrabe-muçulmano. O somatório de duas, em boa verdade de três nações - a cristã, a moçàrabe e a muçulmana - precisava de ser convertido em unidade homogénea, nacional portuguesa."


FONTE: 2º congresso histórico de guimarães, actas, volume 1" de A.H. de Oliveira Marques

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

politicamente incorrecto...

"Os judeus sempre foram um povo com características raciais definidas e nunca uma religião." - Adolf Hitler























especialmente dedicado aos que acreditam e insistem que judeu é só religião...

taxa de imigração «desce» em Espanha

Espanha: Taxa de crescimento da imigração em 2009 foi a menor desde 1992

Madrid, 18 fev (Lusa) - A Espanha registou em 2009 uma taxa de crescimento do número de imigrantes de sete por cento, a menor desde 1992, anunciou hoje a secretária de Estado para a Imigração.

Esta redução do crescimento foi explicada por Consuelo Rumi pelo aumento do controlo da imigração clandestina e pela forte recessão em Espanha, designadamente no sector da construção.

A governante sublinhou, não obstante, que Espanha continua a precisar de trabalhadores estrangeiros devido ao envelhecimento da população.

FONTE



atente-se no último parágrafo...nem com crise, nem com recessão, nem com excesso de imigrantes...nem assim querem corrigir o mal.  recorrem sempre aos mesmos estafados argumentos.

O Norte, o Sul, a raça, a nação






















http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aso/n171/n171a01.pdf

O Norte, o Sul, a raça, a nação — representações da
identidade nacional portuguesa (séculos XIX-XX)

AUTOR: José Manuel Sobral
 
 
Interessante PDF com várias considerações de cariz racial (e não só) sobre Portugal, por autores e historiadores portugueses, com destaque para a oposição entre o Norte e o Sul do país.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

bairro de milão a ferro e fogo

 Bairro de Milão teme clima de ódio racial

Dezenas de imigrantes do Norte de África provocaram, na madrugada de ontem, distúrbios nas ruas de um bairro multiétnico de Milão, em Itália, em protesto pelo assassínio de um jovem egípcio, de 19 anos, informaram as autoridades italianas.

Os distúrbios começaram ao final do dia, depois de Hamed Mamoud El Fayed Adou, um egípcio de 19 anos, ter sido morto, segundo a polícia, por um grupo de imigrantes sul-americanos. Uma centena de jovens de origem magrebina, segundo os meios de comunicação social italianos, partiram montras de lojas de imigrantes sul-americanos e queimaram um automóvel.

"Há um clima de ódio racial, que receio possa aumentar nos próximos dias", disse um proprietário de um café do bairro do noroeste de Milão, onde vivem e trabalham muitos imigrantes, principalmente da Colômbia, Peru, Bolívia e outros países da América Latina, citado pelo site do "El Mundo". Cerca de 70% dos estabelecimentos da área são propriedade de imigrantes.

Durante a noite, a polícia italiana identificou mais de 30 pessoas que estiveram envolvidas nos distúrbios, a maioria das quais egípcias. As autoridades continuam à procura dos imigrantes sul-americanos que terão morto o jovem egípcio, depois de uma discussão que começou num autocarro da cidade.

O próprio chefe da polícia de Milão, Riccardo De Corato, classificou aquela área de "faroeste" de gangs magrebinos e sul-americanos. Foi já o segundo episódio de violência envolvendo imigrantes ocorrido este ano, depois dos confrontos verificados no Sul do país, em Janeiro, terem originado as mais violentas lutas raciais de que há memória, desde a Segunda Guerra Mundial.

O ministro italiano do Interior, Roberto Maroni, anunciou recentemente a introdução de um sistema de pontos nas autorizações de residência dos imigrantes que vivem em Itália. De acordo com este projecto, os imigrantes perdem pontos caso cometam delitos.

A Liga do Norte, partido anti-imigração da coligação de centro-direita do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, aproveitou para defender que todos imigrantes que sejam responsáveis por actos violentos sejam expulsos do país.

Já os partidos da Oposição aproveitaram também os incidentes para lembrar que as políticas de integração e segurança da coligação de centro-direita, - que governa também região e a cidade de Milão -, falharam em toda a linha. "Devem aceitar o facto que a sua política de integração falhou", disse Pierluigi Bersani, líder do Partido Democrático, o maior partido da Oposição.


FONTE

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

vaticano igual a si próprio

Vaticano lamenta cobertura mediática negativa sobre a migração

Conclusões de Congresso Mundial condena racismo e xenofobia

O Vaticano lamenta que a imprensa faça uma “cobertura negativa” dos fenómenos migratórios, convidando a valorizar os bons exemplos de integração e a combater a xenofobia, através dos media.

A posição é assumida no documento final do VI Congresso Mundial da Pastoral para os Migrantes e Refugiados, divulgado esta Sexta-feira. O Congresso decorreu em Novembro de 2009.

O texto sublinha que a Igreja deve ajudar a "contrabalançar a cobertura mediática negativa com programas de educação que falem do contributo positivo dos imigrantes na sociedade, da riqueza dos imigrantes e de como eles podem ser mão-de-obra qualificada".

O Conselho Pontifício para a Pastoral dos Imigrantes e Itinerantes (CPPMI), presidido pelo arcebispo Antonio Maria Vegliò, recomenda a promoção de "campanhas internacionais para combater publicamente a discriminação, a xenofobia e o racismo" e de projectos e encontros "para neutralizar os medos raciais e culturais, bem como a desconfiança".

São lançados alertas para o tráfico de pessoas e as “novas formas de escravidão”, alertando que “os temas da segurança e do medo social podem, facilmente, levar a um aumento da discriminação”.

O documento defende que a Igreja “deve abrir os braços a todos os migrantes, qualquer que seja a sua idade, credo ou convicções”. Neste sentido, cabe-lhe assumir "um papel de mediação e de advocacia entre estas pessoas e as autoridades locais", também do ponto de vista “médico, jurídico e de qualquer outro tipo".

"As dioceses devem procurar promover acções concretas a fim de reduzir a crescente desconfiança recíproca entre imigrantes e refugiados e as comunidades de acolhimento", indica o documento conclusivo."

FONTE

distância genética entre 26 populações





















clicar para aumentar


FONTE: (Cavalli-Sforza et al. 1994 p.75)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

a Itália quer sistema de pontos


Itália quer adotar sistema de "pontos" para imigrantes
- O Governo italiano quer introduzir uma espécie de permissão de residência por pontos para os imigrantes, os que não conseguirem a pontuação serão expulsos, segundo confirmou nesta sexta-feira à Agência Efe o Ministério do Interior.

A medida prevê renovar a permissão de moradia aos imigrantes que alcançarem 30 pontos, que devem ser conquistados cumprindo os requisitos por dois anos.

Entre estes estão o conhecimento do italiano e da Constituição, não terem cometido delitos, a inscrição no serviço de saúde nacional, ter um contrato de habitação e os filhos escolarizados.

O Ministro do Interior, Roberto Maroni, explicou ontem que os escritórios de imigração vão avaliar o cumprimento dos objetivos para renovar a permissão de residência. No caso dos imigrantes não terem alcançado, as autoridades poderão conceder outro ano para conseguir os 30 pontos ou serem expulsos.

Segundo a imprensa local, por enquanto trata-se de um projeto, mas o Governo quer ter preparado dentro de dois meses o decreto lei que introduzirá nesta nova modalidade para renovar a permissão de residência e que se denominará "acordo de integração".

A medida já recebeu as primeiras críticas, "criará obstáculos à integração e favorecerá as irregularidades", segundo Livia Turco, responsável de Imigração para o opositor Partido Democrata (PD).

Diante das críticas, Maroni afirmou que se trata de "um sistema de integração no qual sugere ao imigrante incorporar-se à comunidade. Se o fizer, ganhará a permissão de residência, caso contrário terá que explicar porque não quer se integrar".

Maroni anunciou que o Governo oferecerá os cursos de italiano para os imigrantes."


FONTE


obviamente que esta medida de obrigar os imigrantes a integrarem-se não é o ideal.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

mapa das waffen SS




































 sim, o mapa tem alguns erros aqui e acolá. mas de uma forma geral penso que está correcto e aproximado à realidade étnica europeia. talvez seja até excessivamente detalhado, acabando por separar regiões que podiam perfeitamente coexistir juntas  (exemplo: Portugal Sul e Extremadura Espanhola)
o resto são pequenos erros e detalhes de fronteiras.

da legenda em francês no lado direito, destaco o seguinte:

"L´Europe Des Ethnies

(....)
Pour la SS il s´agissait de passer la notion ethnie à la notion race par une politique génétique visant à développe ce qu´elle considérait comme races supérieures: nordiques, germaniques, celtiques, alpines.
ils est curieux de constater que, trente ans plus tard, certains mouvements qui n´ont rien de "néo-nazis" - bien au contraire - proposent des cartes voisines de celle-ci. L´idée de fédération succédant aux nationalismes historiquemente fondés mais depassés par l´evolution, flotte dans l´air du temps, même en France, nation jacobine par excellence et préfigure peut-être des découpages ethniques, plus proche de la nature des hommes que le maintien de communautés purement linguistiques."


para quem tem dificuldades com a lingua francesa, posso deixar uma tradução:

"Para a SS, tratava-se de passar o conceito de etnia para o conceito de raça através de uma política genética orientada para o desenvolvimento de raças consideradas superiores: Nórdicos, Germânicos, celtas, Alpinos. É curioso notar que, trinta anos depois, certos movimentos que nada tinham de "neo-nazis" - bem pelo contrário - proposeram mapas parecidos com este. A ideia de federação sucedendo aos nacionalismos baseados historicamente mas superados pela evolução, paira no ar, mesmo na França, nação jacobina por excelência, e é, talvez, prenúncio das divisões étnicas mais perto da natureza dos homens do que a manutenção de comunidades puramente linguísticas."



ou seja, este mapa das SS, foi depois copiado décadas mais tarde por outros movimentos.
tratou-se de substituir um conceito linguistico, por um conceito étnico muito mais natural e menos artificial. mais próximo da natureza humana.
eu sou, inequivocamente, por uma Europa branca e federada.  mas não por uma Europa das linguas e sim por uma Europa das etnias.


nota: a parte de considerar as raças céltica, nórdica, germânica ou alpina como superiores, não foi escrita nem inventada por mim, embora sei que isto choca profundamente os que gostam muito mais das bandeiras, das pátrias, das linguas, fronteiras, etc