"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

segunda-feira, 28 de março de 2011

FN francesa sobe




(...)
«A abstenção atingiu um valor recorde de 53,7 por cento. Quem clama vitória é mesmo Marine Le Pen, a líder da Frente Nacional, o partido da extrema-direita. O partido da extrema-direita ganha terreno, apesar de ter tido apenas 11,7 por cento dos votos.

“Temos uma Frente Nacional que progrediu claramente da primeira para a segunda volta”, comentou Frederic Dabi, do instituto de sondagens francês Ifop. “Apesar de ter tido poucos eleitos, o crescimento do partido mostra que a frente republicana talvez tenha sido vencida”, concluiu.

Uma sondagem publicada este domingo dá a Marine Le Pen uma passagem garantida à segunda volta das presidenciais de 2012, face a um dos rivais socialistas Dominique Strauss-Kahn, Martine Aubry ou François Hollande. Para trás fica Nicolas Sarkozy, a não ser que o candidato do PS seja Segolène Royal.»

FONTE

3 comentários:

Anónimo disse...

fenotipos

http://2.bp.blogspot.com/_RSTtcqjlJJA/S97c7OaNp1I/AAAAAAAAAVQ/2kQOg79jQVA/s1600/catarina-wallenstein.jpg


tio

http://4.bp.blogspot.com/_5SKnQEkmBn0/Rxe5XqYUQ5I/AAAAAAAAAHI/MTXvPsjoXo4/s320/235.gif


avô

http://www.cct-tep.com/index_ficheiros/momentos/Carlos%20Wallenstein%20a.jpg


pai

http://c4.ac-images.myspacecdn.com/images02/7/l_ec9f90b9fa7b4808b20332d396a6850b.jpg


irmão

http://www.zonlusomundo.pt/uploads/A%20Esperan%C3%83%C2%A7a%20Est%C3%83%C2%A1%20Onde%20Menos%20Se%20Espera.JPG

mãe


http://1.bp.blogspot.com/_KOyUN__Ir9w/RnuNZarGLQI/AAAAAAAAAqA/u1ASkg_GQtk/s320/lucia+lemos.jpg

Anónimo disse...

multiculturalistas:


MANUAIS DE HISTÓRIA DA ESCOLA SECUNDÁRIA ACUSADOS DE RACISMO E EUROCENTRISMO

Os manuais de História do 3º ciclo do ensino básico
continuam a perpetuar "muitos dos discursos do Estado Novo". São apresentados de um modo "mais subtil e suavizado", mas constituem "um corpo ideológico" que continua a condicionar o modo como se fala do racismo, do nacionalismo e da "história dos outros". As constatações são da investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra Marta Araújo e têm como base uma análise dos cinco manuais de História mais vendidos, em 2008/2009, no 7º, 8º e 9º anos de escolaridade.
Esta análise constituiu o ponto de partida para a investigação Raça e África em Portugal, que Marta Araújo lidera no CES. No âmbito deste projecto, que ficará concluído em Agosto, estão a ser realizadas também entrevistas a historiadores, estudantes universitários, professores e alunos do 3º ciclo.

"Tentámos ir mais além da identificação das representações dominantes. Sabemos que são estereotipadas, existem imensos estudos que o mostram. Em vez de fazermos mais um, assumimo-los como ponto de partida e fomos antes tentar explorar a ideologia que lhes subjaz e o modo como através desta se naturalizam as relações de poder", explica a investigadora.
Como se conta o mundo então? "Garantindo a presença da Europa no seu centro." "Este eurocentrismo exprime uma pretensão universalizante, através da qual o modelo de desenvolvimento europeu ocidental é adoptado como padrão para avaliar todas as outras sociedades", explica Marta Araújo.

Clara Serrano, investigadora dos Centros de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra, também tem andado à volta dos manuais de História do ensino básico e à semelhança de Marta Araújo constatou que nestes livros " a história universal é estruturada e apresentada a partir de uma perspectiva marcadamente eurocentrista". "A história dos outros continentes é muito pouco leccionada - e, quando é, é-o como efeito secundário do conhecimento de actividades de descobrimento e colonização protagonizadas por povos europeus", explicita. Não é um exclusivo: "É curioso verificar que os próprios manuais dos países não europeus não conseguiram escapar a esta linha europeísta."

Para Marta Araújo, o eurocentrismo como ideologia ganha eficácia "através da despolitização".

Por exemplo, a guerra colonial tende a ser descrita "não como uma guerra de libertação, mas sim como uma guerra de guerrilha sem um propósito". Há livros em que as únicas imagens reproduzidas são a de soldados portugueses mortos, uma forma, segundo a investigadora, de reforçar uma narrativa recorrente. "Também a encontramos, por exemplo, nos capítulos da Reconquista da Península Ibérica. E a imagem que se faz passar é que nós, portugueses, fomos forçados a sermos violentos, enquanto eles, sejam angolanos ou mouros, são naturalmente violentos e bárbaros."

Sobre a Reconquista: "No século VIII, os Cristãos viram a sua vida quotidiana - em si bastante instável - ameaçada pela chegada dos Muçulmanos. Em consequência os Cristãos estabeleceram contacto com os Cruzados de outros reinos Cristãos Europeus com os quais reuniram esforços para recuperaram os territórios perdidos(...)."

Anónimo disse...

«Weak Educational System Hobbles Portugal»
wsj.com